Notícias

Litro do diesel sobe 8,3% nos postos após aumento de 26% da Petrobras; gasolina fica 2,2% mais cara

O preço médio do litro do diesel disparou 8,3% nos postos de combustíveis nesta semana, para R$ 5,50, refletindo parte do aumento de 26% da Petrobras (PETR3;PETR4) na quarta-feira (16). Já a gasolina, que foi reajustada em 16% pela estatal nas refinarias, o preço médio subiu 2,2%, para R$ 5,65 por litro.

Já o Gás Natural Liquefeito (GLP) teve ligeira alta na semana, com o preço médio do botijão de 13 quilos (gás de cozinha) subindo 0,2%, para um preço médio de R$ 101,21. Os números fazem parte do levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), do período entre 13 e 19 de agosto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

https://imasdk.googleapis.com/js/core/bridge3.585.0_en.html#goog_252897776

Em termos nominais, o reajuste da Petrobras foi de R$ 0,78 por litro de diesel A e de R$ 0,41 na gasolina A. Considerando a mistura obrigatória de 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro para a composição da gasolina C, comercializada nos postos, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor será de R$ 2,14 por litro vendido na bomba, em média.

O reajuste da estatal reduziu a defasagem em relação aos preços do mercado internacional, mas a diferença ainda era de 11% para os dois combustíveis na quinta-feira (17). Antes do aumento, a defasagem era de 27% para a gasolina e de 28% para o diesel.

Em termos nominais, o reajuste da Petrobras foi de R$ 0,78 por litro de diesel A e de R$ 0,41 na gasolina A. Considerando a mistura obrigatória de 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro para a composição da gasolina C, comercializada nos postos, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor será de R$ 2,14 por litro vendido na bomba, em média.

O reajuste da estatal reduziu a defasagem em relação aos preços do mercado internacional, mas a diferença ainda era de 11% para os dois combustíveis na quinta-feira (17). Antes do aumento, a defasagem era de 27% para a gasolina e de 28% para o diesel.

FONTE: INFOMONEY