Notícias

Preços dos combustíveis caem mais uma vez: é a 11ª queda seguida

Os preços da gasolina, do diesel e do etanol voltaram a cair nos postos de combustíveis na semana passada, de acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgados na última segunda-feira, 12. De acordo com o levantamento da ANP, o preço médio do litro da gasolina caiu de R$ 5,17 para R$ 5,04, uma diminuição de 2,5%, recuando para o menor patamar desde a semana encerrada em 20 de fevereiro do ano passado (R$ 4,917). O valor máximo encontrado nos postos foi R$ 7,09. Foi o 11º recuo seguido do preço da gasolina, segundo a agência. Em Nova Friburgo, o litro da gasolina nas bombas varia de R$ 5,19 a R$ 5,89, em média. 

Já o valor médio do litro do diesel passou de R$ 6,90 para R$ 6,88, redução de 0,3%. É o preço mais baixo desde a semana encerrada em 4 de junho de 2022 (R$ 6,88). O valor mais alto encontrado pela agência foi R$ 8,89. Por fim, o preço médio do etanol passou de R$ 3,71 para R$ 3,53, uma queda de 4,9%. O levantamento chegou a encontrar oferta do etanol pelo máximo de R$ 6,99.

Em junho, os preços do litro do diesel e da gasolina alcançaram os maiores valores nominais pagos pelos consumidores para os combustíveis desde que a ANP passou a fazer levantamento semanal de preços, em 2004.

Queda de preços

A redução dos combustíveis sente o efeito da limitação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) adotada pelos estados depois que foi sancionado o projeto que cria um teto para o imposto sobre itens como diesel, gasolina, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo.


Pular para o conteúdo principal

QUARTA-FEIRA, 14 DE SETEMBRO DE 2022

  1. Início
  2. Preços dos combustíveis caem mais uma vez: é a 11ª queda seguida

Preços dos combustíveis caem mais uma vez: é a 11ª queda seguida

De acordo com o levantamento semanal da ANP, o preço médio do litro da gasolina caiu de R$ 5,17 para R$ 5,04, uma diminuição de 2,5% 

QUARTA-FEIRA, 14 DE SETEMBRO DE 2022

POR JORNAL A VOZ DA SERRA

(Foto: Henrique Pinheiro)

(Foto: Henrique Pinheiro)

https://www.facebook.com/v3.0/plugins/like.php?app_id=986995804717238&channel=https%3A%2F%2Fstaticxx.facebook.com%2Fx%2Fconnect%2Fxd_arbiter%2F%3Fversion%3D46%23cb%3Df3622a6f2090fbc%26domain%3Davozdaserra.com.br%26is_canvas%3Dfalse%26origin%3Dhttps%253A%252F%252Favozdaserra.com.br%252Ff2fb4bb5de333ba%26relation%3Dparent.parent&container_width=130&href=https%3A%2F%2Favozdaserra.com.br%2Fnoticias%2Fprecos-dos-combustiveis-caem-mais-uma-vez-e-11a-queda-seguida&layout=button_count&locale=pt_BR&ref=addtoany&sdk=joey&width=90FacebookTwitterWhatsAppCompartilhar

Os preços da gasolina, do diesel e do etanol voltaram a cair nos postos de combustíveis na semana passada, de acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgados na última segunda-feira, 12. De acordo com o levantamento da ANP, o preço médio do litro da gasolina caiu de R$ 5,17 para R$ 5,04, uma diminuição de 2,5%, recuando para o menor patamar desde a semana encerrada em 20 de fevereiro do ano passado (R$ 4,917). O valor máximo encontrado nos postos foi R$ 7,09. Foi o 11º recuo seguido do preço da gasolina, segundo a agência. Em Nova Friburgo, o litro da gasolina nas bombas varia de R$ 5,19 a R$ 5,89, em média. 

Já o valor médio do litro do diesel passou de R$ 6,90 para R$ 6,88, redução de 0,3%. É o preço mais baixo desde a semana encerrada em 4 de junho de 2022 (R$ 6,88). O valor mais alto encontrado pela agência foi R$ 8,89. Por fim, o preço médio do etanol passou de R$ 3,71 para R$ 3,53, uma queda de 4,9%. O levantamento chegou a encontrar oferta do etanol pelo máximo de R$ 6,99.

Em junho, os preços do litro do diesel e da gasolina alcançaram os maiores valores nominais pagos pelos consumidores para os combustíveis desde que a ANP passou a fazer levantamento semanal de preços, em 2004.

Queda de preços

A redução dos combustíveis sente o efeito da limitação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) adotada pelos estados depois que foi sancionado o projeto que cria um teto para o imposto sobre itens como diesel, gasolina, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo.

Pelo texto, esses itens passam a ser classificados como essenciais e indispensáveis, o que impede que os estados cobrem taxa superior à alíquota geral que varia de 17% a 18%, dependendo da localidade. Até então, os combustíveis e outros bens que o projeto beneficia eram considerados supérfluos e pagavam, em alguns estados, até 30% de ICMS.

Além disso, a Petrobras tem promovido sucessivos cortes nos preços de venda da gasolina e do diesel para as refinarias. No início do mês, por exemplo, a Petrobras reduziu o preço da gasolina vendida para as distribuidoras. A queda foi de 7,08%.

“Essa redução acompanha a evolução dos preços de referência e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio”, diz a estatal em nota. (Fonte: Portal G1)